site loader
4 de novembro de 2020 Senado repudia julgamento sobre estupro de Mariana Ferrer

Senado repudia julgamento sobre estupro de Mariana Ferrer

O Senado aprovou nesta terça-feira (3) nota de repúdio contra a conduta do advogado, do promotor e do juiz envolvidos no julgamento do caso da influenciadora digital Mariana Ferrer. A jovem acusou o empresário André de Camargo Aranha de estupro, em episódio ocorrido em 2018, em uma casa noturna em Florianópolis. A justiça, no entanto, inocentou o empresário, entendendo que não havia provas para caracterizar a intenção do estupro, no que foi chamado de “estupro culposo”. Como não existe esta tipificação criminal no Brasil, Aranha foi inocentado.

O Senado repudiou o advogado de defesa do acusado, Cláudio Gastão da Rosa Filho, o promotor de justiça Thiago Carriço de Oliveira e o juiz do caso Rudson Marcos, por “distorcerem fatos de um crime de estupro, expondo a vítima a sofrimento e humilhação”. No requerimento apresentado à Mesa da Casa, o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) afirmou que a modalidade de estupro “é crime onde a intenção sempre está presente. É crime doloso”.

“Não importa se a vítima está dormindo ou se está alcoolizada, drogada ou sob qualquer outro efeito. Não havendo consentimento, fica configurado o crime de estupro”, acrescentou Contarato.

Durante o julgamento do caso, conforme divulgado pelo site The Intercept Brasil, Mariana foi humilhada pelo advogado de Aranha. Ele mostrou fotos da vítima e, de acordo com o senador, “fazendo comentários impertinentes e misóginos”.

Ministro do STF fala em “tortura”

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, também se manifestou sobre o caso, no Twitter. Ele chamou de “estarrecedoras” as cenas da audiência e o tratamento dado a ela, classificado pelo magistrado de “tortura e humilhação”.

Fonte: Notisul

4 de novembro de 2020 Criciúma tem 41% de aproveitamento e média de 1,07 gol por partida na Série C

Criciúma tem 41% de aproveitamento e média de 1,07 gol por partida na Série C

O Criciúma vive momento complicado dentro e fora das quatro linhas. Na Série C do Campeonato Brasileiro, a equipe comandada por Itamar Schulle não vence há três jogos e amarga o 6º lugar, com 16 pontos. Até o momento, são 13 jogos, quatro vitórias, quatro empates e cinco derrotas, com aproveitamento de 41%.

Além do aproveitamento ruim, o Tigre tem apenas 14 gols em 13 jogos na competição nacional, ou seja, 1.07 gol por partida. Já em relação a defesa, são 15 gols sofridos, com 1.15 gol por duelo disputado. 

O Tigre disputou sete jogos longe de Santa Catarina e não venceu nenhum. São três empates e quatro derrotas. O Criciúma sofreu dez gols longe do Heriberto Hülse e marcou apenas três tentos. O aproveitamento do clube catarinense é de 10%, enquanto o aproveitamento do Criciúma no Majestoso é de 72%. São seis jogos, com quatro vitórias, um empate e uma derrota. A equipe marcou 11 gols e sofreu cinco dentro de casa. 

Ataque 

O atacante Michel é o artilheiro da equipe. O camisa 9 marcou cinco gols em 13 jogos, enquanto Andrew é o vice, da com quatro gols em 18 partidas. Diferentemente de Michel, ele entrou em campo pela Copa do Brasil, Campeonato Catarinense, além da Série C. Carlos César também balançou as redes quatro vezes, porém entrou em campo 12 vezes.

Próximo jogo 

O Criciúma entra em campo no próximo sábado, dia 7, às 15 horas, diante do Volta Redonda, longe de casa. O confronto é válido pela 14ª rodada da Série C.

Fonte: Engeplus

Braço do Norte: motorista embriagado colide frontalmente com motocicleta

Um homem de 51 anos foi preso nessa terça-feira, dia 3, em Braço do Norte, por dirigir embriagado após se envolver em um acidente de trânsito. Ele conduzia um carro na Estrada Geral Açucena, quando colidiu frontalmente com uma motocicleta. 

De acordo com a Polícia Militar (PM), o motociclista ficou ferido e foi encaminhado ao hospital pelo Corpo de Bombeiros. O motorista do carro afirmou que ingeriu bebida alcoólica. Ele realizou o teste do bafômetro e apontou que realmente ele estava embriagado, com isso, ele foi encaminhado à Delegacia de Polícia Civil.

Fonte: Engeplus

Polícia Civil desmantela organização criminosa que atuava em Capivari de Baixo

A Polícia Civil de Capivari de Baixo desmantelou uma organização criminosa formada por 17 pessoas que atuavam em  Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso do Sul praticando tráfico de drogas, associação para a prática de tráfico de drogas, furtos e roubos de veículos, adulteração de sinais de identificação veicular, posse e comércio de armas de fogo e lavagem de dinheiro. Em Santa Catarina o grupo agia nas cidades da Amurel.

A investigação durou cerca de 1 ano e foi feita por meio do Núcleo de Investigação e Análises Criminal (NIAC) da Delegacia de Capivari de Baixo, sob a coordenação do Delegado Vandilson Moreira da Silva.

De acordo com Vandilson a organização criminosa possuía diversos núcleos responsáveis pela coordenação e execução das atividades. Os líderes do grupo criminoso gerenciavam as atividades da cidade de Capivari e de dentro de uma unidade prisional sediada em Ponta Porã (MS).

Os suspeitos foram presos em novembro de 2019 durante a operação “Escambo”, em seguida foram denunciados pelo Ministério Público de Capivari de Baixo. Após o devido processo legal os 17 suspeitos foram condenados pelo Poder Judiciário da Comarca de Capivari de Baixo a penas que, somadas, superam 400 anos de prisão.

Fonte: Notisul

4 de novembro de 2020 Região ainda está na 1ª onda da pandemia

Região ainda está na 1ª onda da pandemia

Com 19.985 casos confirmados de coronavírus desde o início da pandemia, sendo 18.692 pacientes curados e 224 mortes, o diretor-presidente da Fundação Municipal de Saúde de Tubarão, Daisson Trevisol, diz que ainda estamos na primeira onda da pandemia e que os casos começaram a registrar novamente um crescimento significativo.

“Pode haver uma segunda onda da pandemia, assim como a que está ocorrendo na Europa, mas aqui não saímos ainda nem da primeira. Tivemos uma queda sim, mas não saímos da primeira. Estamos tendo um novo aumento sem ter muito declínio. Então, este aumento de transmissão está acontecendo em virtude de todas as liberações que têm sido feitas em conjunto com o Estado, mas ao mesmo tempo porque as pessoas parecem ter cansado. Basta ver as aglomerações durante os feriadões”, pontua.

“Nós tivemos uma primeira grande onda, um leve decréscimo por aproximadamente um mês e já voltamos a aumentar o número de casos, não só na região, mas em todo o Estado. Este é o momento agora. A vantagem é que isso não está se refletindo, ainda, nas internações hospitalares, que estão estáveis”, alerta.

“O que se espera é que haja este aumento de contaminação, mas não aumentem as internações, porque aí vamos tendo a imunidade coletiva sendo formada. Caso aumentem as internações, aí precisaremos tomar atitudes mais drásticas em algum momento, caso seja necessário”, avalia Daisson.

Tubarão atingiu nesta ontem a marca de 100 óbitos provocados pela covid-19. Nos últimos dias, mais três pessoas morreram – uma idosa de 77 anos e dois homens, de 55 e 57. Trinta e oito pessoas estão internadas nos dois hospitais da cidade para tratar a doença – nove na UTI e 29 na enfermaria. Dez deles são tubaronenses – quatro na UTI e seis na enfermaria.

Mortes por covid-19

A Amurel contabiliza 224 mortes devido a complicações causadas pelo coronavírus. Os óbitos ocorreram em: Tubarão (100), Braço do Norte (20), Laguna (17), Capivari de Baixo (17), Imbituba (15), Gravatal (9), Jaguaruna (9), Armazém (5), São Ludgero (5), Pescaria Brava (5), Pedras Grandes (5), Imaruí (4), Sangão (4), São Martinho (3), Rio Fortuna (3), Grão-Pará (2) e Santa Rosa de Lima (1). A covid-19 causou 3.139 mortes em todo o Estado.

Fonte: Diário do Sul

3 de novembro de 2020 Equipe de TV é agredida enquanto trabalhava em praia de Florianópolis

Equipe de TV é agredida enquanto trabalhava em praia de Florianópolis

Repórter é agredida por pessoas que descumpriam regras contra Covid-19 na praia do Campeche, em Florianópolis – Foto: NSCTV/Reprodução/ND

Caso aconteceu na praia do Campeche, no Sul da Ilha de Santa Catarina, e foi filmado pelos profissionais da NSC TV, que estavam no pleno exercício da profissão

Uma equipe da NSC TV foi intimidada e agredida por um grupo de pessoas que descumpriam as regras de isolamento social contra a Covid-19. O caso aconteceu na manhã desta segunda-feira (2) na Praia do Campeche, em Florianópolis.

Um cinegrafista e uma repórter da emissora gravavam uma reportagem sobre a fiscalização de cumprimento às medidas restritivas de combate à Covid-19 na cidade.

A Acaert (Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão) e ACI (Associação Catarinense de Imprensa) emitiram nota de repúdio e cobraram providências das autoridades. O ND+ se solidariza com os colegas, agredidos durante o exercício da profissão.

A agressão

A repórter Bárbara Barbosa e o cinegrafista Renato Soder faziam uma reportagem sobre as fiscalizações na praia quando foram agredidos. A equipe foi cercada por um grupo de pessoas, que passou a ameaça-los.

Momento em que a repórter (à esq.) tenta recuperar o aparelho tomado por uma mulher – Foto: NSCTV/Reprodução/ND

O grupo avançou sobre a câmera na tentativa de impedir as filmagens e uma mulher arrancou o telefone celular das mãos da repórter. Após a confusão, o aparelho foi recuperado. Bárbara chegou a ficar com marcas da agressão nos braços.

A Guarda Municipal e a Polícia Militar foram acionadas. A NSC TV informou que pretende registrar a ocorrência. Em nota, a emissora afirmou que os agressores pagarão pelos seus atos.

A permanência na faixa de areia é proibida em Florianópolis. Segundo decreto estadual, que estabelece medidas para as regiões em nível grave como a Grande Florianópolis, a passagem pelas praias está liberada apenas para prática esportiva individual. O uso de máscara e o distanciamento são obrigatórios, segundo o texto. 

Confira a nota da NSC:

O ataque e a agressão à equipe da NSC, nesta segunda-feira na Praia do Campeche, são uma tentativa de impedir o trabalho da imprensa, de levar os fatos ao conhecimento público – o que é garantido pela Constituição federal. Atitudes como esta, que infelizmente mostramos no Jornal do Almoço, estão se repetindo no país inteiro. Mas elas revelam e fortalecem a importância do nosso trabalho. Os agressores responderão pelos seus atos. E nós vamos continuar fazendo o que fazemos: jornalismo profissional, independente e essencial para a sociedade catarinense.

Fonte: ND+

Open chat
Entre em contato conosco! =)