site loader
16 de setembro de 2021 ‘Na hora, eu só senti medo’, diz pai de bebê de 1 ano picado por cobra em SC

Foto: Paulo Henrique de Almeida Machado/Arquivo Pessoal

Filhote de jararaca foi levado ao hospital de Blumenau junto com menino e, no atendimento, equipe conseguiu identificar espécie e encontrar antídoto. ‘Estamos aliviados’, diz pai.

A família de Benjamin Vicente Machado, de 1 ano e meio, respira aliviada após três dias de internação do menino no Hospital Santo Antônio, em Blumenau, no Vale do Itajaí. O bebê foi picado no pé esquerdo por um filhote de jararaca na segunda-feira (13) enquanto brincava no quintal da casa da avó.

Na tarde de quarta (15), o garoto foi avaliado pelo corpo médico do hospital recebeu alta.

“Estamos aliviados e cansados psicologicamente e fisicamente por estes dias no hospital. Ele ficou muito assustado [na hora da picada]”, afirma o pai, Paulo Henrique de Almeida Machado.

A criança brincava com a avó no momento do incidente — Foto: Paulo Henrique de Almeida Machado /Arquivo Pessoal

A criança brincava com a avó no momento do incidente — Foto: Paulo Henrique de Almeida Machado /Arquivo Pessoal

A serpente foi levada junto com o bebê para o hospital e, no atendimento, a equipe conseguiu identificar a espécie e encontrar o antídoto. Foi um vizinho que matou o animal e ajudou a família.

“Ainda não consegui conversar direito com o vizinho, mas ele já é conhecido da família. Sempre está presente e é um cara muito bacana. Com certeza a gente pretende agradecê-lo”, afirma.

Medo e pressa

Momentos depois da picada, a família afirma que foi imediatamente para o hospital. Na cabeça de Paulo, além do medo, a pressa também foi imperativa.

“Na hora, eu só senti medo. Eu sabia que eu não podia chorar e nem sentir fraqueza. Era só o medo e a pressa que me invadiam naquele momento”, relembra.

Criança de 1 ano é picada por cobra enquanto brincava; ela foi encaminhada para o hospital — Foto: Reprodução/ NSC

Criança de 1 ano é picada por cobra enquanto brincava; ela foi encaminhada para o hospital — Foto: Reprodução/ NSC

Paulo conta que, na hora da picada, além do susto, ele lembrou o que aconteceu com o menino de 2 anos de Salete, na mesma região, que morreu após ser picado por um animal não identificado.

“A gente que tem filho, essas coisas [da morte do garoto picado] doem na gente de um jeito absurdo. Minha recomendação para os pais, quando lemos uma matéria como essa de Salete, é que levantem da cadeira e vão em seus jardins, vão na calçada, olhem embaixo da cama. Atitude, essa é a palavra. Levantar e fazer”, recomenda Paulo.

Ele afirma que, na semana passada, já havia limpado a área externa onde aconteceu o acidente com Benjamin. Para o pai, o esgoto e o lixão a céu aberto, que existem próximos a região onde a casa fica, podem ter contribuído para o aparecimento da cobra no quintal da casa da família.

Picada

A picada ocorreu na segunda-feira (13). Paulo afirmou que o filho brincava no quintal da casa da avó no final da tarde quando ocorreu o acidente. O menino corria atrás de uma bola e começou a gritar e a chorar quando foi picado.

Um vizinho encontrou a cobra perto do bebê, matou-a, colocou o animal em um pote e a família levou até a unidade de saúde. Com o filhote de jararaca identificado, a equipe prestou o atendimento com o soro antiveneno para a picada.

Animal é venenoso e foi morto por vizinho da criança picada — Foto: Hospital Santo Antônio Blumenau/Divulgação

Animal é venenoso e foi morto por vizinho da criança picada — Foto: Hospital Santo Antônio Blumenau/Divulgação

“A médica atentamente bateu foto da cobra e mandou para o órgão responsável. Em poucos instantes já tivemos a resposta de que era um filhote de jararaca e a doutora iniciou com o antídoto e a hidratação”, disse o pai.

Após a identificação, a cobra foi descartada.

O que fazer em caso de picada?

  • Caso seja picado por uma cobra, não se deve amarrar o local. Segundo o biólogo Christian Lempek, o torniquete pode aumentar o risco de necrosar o local e resultar até em amputação;
  • Não se deve cortar o local, fazer perfurações ou sucção;
  • O local da picada deve ser lavado com água e sabão;
  • A vítima deve ser levada o mais rápido possível ao hospital;
  • É importante tentar identificar a serpente (pode ser por foto, se possível) pois isso facilitará para escolha do soro antiofídico a ser aplicado.

Onde ligar

  • Entre em contato com os Bombeiros (193) ou com a Polícia Ambiental da sua cidade (190);
  • Em caso de acidente com serpente, entre em contato com o Samu (192), os Bombeiros (193) ou se dirija ao hospital público mais próximo;
  • Em caso de dúvidas ou orientações sobre procedimentos de primeiros socorros, ligue para o Centro de Informação e Assistência Toxicológica de Santa Catarina (CIATox/SC), pelo telefone: 0800 643 5252.
  • Moradores de Jaraguá do Sul podem ter atendimento na Fujama pelo telefone (47) 3273-8008, de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 17h.

Jararacas

As jararacas possuem veneno desde que nascem para conseguirem se alimentar. Ao G1, o biólogo Christian Raboch explicou que sempre orienta os moradores a chamarem os órgãos responsáveis para recolherem os animais. Isso, segundo ele, evita que uma segunda pessoa seja ferida em situações parecidas ao caso de Blumenau.

Raboch destacou também a importância do veneno da jararaca para a medicina. “A partir dele que foi criado o remédio para o combate de hipertensão”, explicou.

“É bom sempre salientar a importância delas [jararacas] para o equilíbrio do ecossistema. Sempre falo que acidentes acontecem, mas a jararaca, apesar de venenosa, tem a importância dela lá no meio da mata. Serve como presa e predador”, afirma.

Fonte: G1 SC

Open chat
Entre em contato conosco! =)