site loader
29 de setembro de 2021 Funcionário do Carrefour desaparecido é achado quase 2 dias depois preso em elevador

Foto: Reprodução/Facebook/Moro em São Vicente e Região

O supermercado informou, por nota, que o funcionário passa bem e se encontra em casa com a sua família, após ser atendido no hospital da cidade e fazer alguns exames

Desaparecido desde o último sábado (25), o funcionário da rede Carrefour foi encontrado preso dentro do elevador do supermercado na manhã desta segunda-feira (27). O supermercado funcionou no domingo (26) mas, mesmo assim, ninguém notou que ele estava preso dentro do equipamento. O rapaz ficou sem comer e sem beber durante todo o período. Segundo apurado pelo g1, o funcionário, trabalha há cerca de sete anos na unidade do Carrefour, em Santos, no litoral de São Paulo.

No entanto, ele não deu notícias, e os familiares passaram a divulgar imagens dele pedindo por informações de possíveis paradeiros por diversas páginas nas redes sociais. A mãe divulgou que o filho era usuário de remédios controlados e que nunca havia ficado fora de casa sem dar notícia antes. Ele estava preso dentro do elevador, onde passou cerca de 36 horas aguardando para ser libertado.

O Carrefour informou que o funcionário ficou preso em um elevador de carga que, por motivos desconhecidos, parou de funcionar. O equipamento fica em uma área com acesso restrito a funcionários e, por conta disso, seria pouco visitado no dia a dia do supermercado.

Uma investigação interna do supermercado apura qual o motivo do funcionário supostamente não ter pedido ajuda. Além disso, uma equipe de manutenção foi acionada e apura qual a causa do elevador ter deixado de funcionar.

O Carrefour informou, por nota, que o funcionário passa bem e se encontra em casa com a sua família, após ser atendido no hospital da cidade e fazer alguns exames. “Estamos junto aos familiares para prestar todo o suporte necessário, incluindo apoio psicológico. Ficamos consternados com o ocorrido e estamos apurando o fato internamente”, finalizou o mercado.

Fonte: Tribuna de Jundiaí

Open chat
Entre em contato conosco! =)