site loader
20 de maio de 2021 Brasil aplicou 1º dose da vacina em 25% de sua população adulta

Até esta quarta-feira (19/5), 40.365 milhões de pessoas haviam tomado ao menos a primeira dose de um dos imunizantes contra o coronavírus

Uma em cada quatro pessoas acima dos 18 anos no Brasil já tomou a primeira dose das vacinas disponíveis contra o coronavírus, o equivalente a 40,3 milhões dos 160,9 milhões de indivíduos pertencentes a esta faixa etária, segundo dados do IBGE. Já entre os imunizados, isto é, que tomaram as duas doses, o total é menor. São 19,9 milhões de brasileiros adultos, cerca de 12,4%.

As informações foram levantadas pelo (M)Dados, núcleo de jornalismo de dados do Metrópoles, e se baseiam nos dados do consórcio de imprensa*. O balanço inclui todas as informações divulgadas pelas secretarias estaduais de Saúde até as 20h desta quarta-feira (19/5).

Desde 17 de janeiro deste ano, o país conseguiu aplicar 60.274.649 doses dos imunizantes disponíveis. O ritmo de vacinação, no entanto, vem diminuindo nos últimos dias com a falta de insumos para a produção de novas vacinas.

Levantamento feito pelo Metrópoles, com base nos dados coletados pelo consórcio, indica que média móvel de vacinação caiu 34,6% em 19 dias, desde o pico da média móvel diária de aplicação de doses, alcançado em 29 de abril.

Para Brigina Kemp, epidemiologista e membro do Observatório Covid-19 BR, a comemoração dos números de vacinados é tardia. “Devemos comemorar, mas precisamos lamentar que tenhamos só isso. Já deveríamos ter vacinado muito mais”, afirma.

Ao assumir o cargo de ministro da Saúde, Marcelo Queiroga afirmou que pretendia vacinar cerca de 1 milhão de brasileiros por dia, com o intuito de acelerar a proteção da população. A meta, contudo, foi cumprida em apenas 14 dos 58 dias de sua gestão.

Brigina alerta que o país segue com o desafio de conferir a imunização completa para os grupos prioritários. E isso só acontece com a aplicação de duas vacinas, conforme apontado por estudos clínicos das vacinas Coronavac, AstraZeneca e Pfizer, únicas utilizadas no país até o momento.

Sem a 2ª dose

Na última pesquisa divulgada pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), 1.142 municípios brasileiros ficaram sem a segunda dose de imunizantes entre os dias 10 e 13 de maio. Foram ouvidos gestores de 3.051 municípios do país.

A especialista ressalta que a falta de aquisição de vacinas e estimativas populacionais defasadas acabam gerando desigualdade da imunização no país.

“Com poucas vacinas e com as estimativas baixas (na projeção da população, por conta da falta do Censo Demográfico), muitos lugares ficaram com doses sobrando, enquanto outros não conseguem aplicar em toda a faixa populacional estimada”, conclui.

* O consórcio de imprensa é composto pelos veículos G1, O Globo, Extra, Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo e UOL.

Fonte: METRÓPOLES

Open chat
Entre em contato conosco! =)